Um Tico, um Tanto

16 de setembro de 2009


Eu ia falar de outra coisa hoje, mas vou deixar pra manhã, porque o assunto vale, ainda que não careça de muita propaganda, divulgado que deve estar sendo em nove entre dez colunas e não apenas neste, mas em outros jornais e páginas virtuais – mas, não custa engrossar o caldo: logo mais, 19h30, no Teatro Alberto Maranhão, uma penca de artistas se unem em prol da lembrança eterna do músico Tico da Costa.

(Antes, um parêntese: não concordo com o coro dos descontentes que afirma que Tico não teve em sua terra natal o reconhecimento devido e alcançado em terras estrangeiras. Fazer o quê? Não é – nem foi – exceção, mas a regra. A ladainha é velha, a lengalenga eterna, e não é culpa necessariamente da imprensa – como apontam alguns –, que, vamos e venhamos, até que valoriza bastante os tais artistas locais. Mas se o tal grande público prefere o axé do Carnatal é porque… o grande público prefere o axé do Carnatal, ora, píulas! Fazer o quê, repito? Coleguinhas da mídia, fãs e consumidores culturais deste Ryo Grande, corram, então, pra valorizar os que vivos ainda estão. Antes que morram. E não apenas músicos e cantores, mas poetas, artistas visuais etc. etc.)

Antes disso, dêem um pulo hoje no TAM, para prestigiar o show “Várias vozes, um só canto – de Tico e para Tico”, todo organizado pelos amigos – o que prova, sim, que reconhecimento ele teve, está tendo e sempre terá.

Daí que vale citar todos os envolvidos no show, a começar de Yuno Silva, da assessoria de imprensa e da produção, passando por Tarcísio Gurgel (autor do roteiro e diretor geral), Juca Santos (direção de palco), Sérgio Farias e Pedro Paulo da Costa (arranjos), e demais produtores: Andréa Varela, Marcondes, Maria das Neves e Joanisa Prates.

Os músicos são uma verdadeira legião: Babal, Carlos Zens, Pedro Paulo, Katarina Gurgel, João Salinas, Titã, João Paulo, Maria Vênus, Mirabô Dantas, Dudé Viana, Zé Martins, Nara Costa, Sérgio Farias, Rino Ayres, Everton Marinho, Alzenir Nelo, Pedrinho Mendes, Hideraldo, Paulinho de Cruzeta, Maestro Bem Bem, Grupo Glória, Regina Lima, Eugênio Lima, Catarina Shin, Hugo Shin, Nahna Shin, Ivo Shin, Alba Shin Wyclif, Airton Guimarães, Beto, Antônio de Pádua, Cássio Duarte, Dudu Campos, Manoca Barreto e Eduardo Taufic.

Mais as participações especiais de Daniel, Lucas e Gabriel (filhos de Tico), Diógenes da Cunha Lima, Gilson Medeiros, Deth Haak e Deífilo Gurgel.

Na captação de áudio, imagens, iluminação, exibição e sonorização comparecem o Estúdio Prómidia (de Paulo Milton), Jota Marciano e Maurício Montecinos, Castelo Casado, a Tela Viva e Helisom.

Apóiam, ainda: o TAM, Coleta Seletiva Produções, Universitária FM, Terral Filmes, Arte Musical e Movimento dos Focolares.

Informações e vendas antecipadas: 8827.2006, 8721.5079, 3219.4078 e 8723.4079.

Toda a renda será para a família de Tico da Costa.

*

ça va bien?

Músicos e amantes do Jazz têm encontro marcado hoje, 9h, no Auditório da Escola de Música da UFRN: oficina do Lafé Bemé, quarteto de jazz francês.

desplugados

UsKaravelho prometem soar mais light, hoje, 19h30, no Belle De Jour Bistrô: o show é unplugged, isto é, acústico. R$ 5, o couvert.

Na sexta, 18, lançam o segundo CD, gravado ao vivo, no Sgt. Peppers – as bandas Tricor e For Sale completam a festa. Senhas limitadas: 3646.3000.

Tcp

Luiz Gadelha interpreta Khrystal, logo mais, 20h, no Teatro de Cultura Popular Chico Daniel – de grátis.

ainda que tardia

Economista aposentada e uma das fundadoras do Movimento Viva Natal, Marlene Dantas Santana lança hoje, 19h, terceiro piso do Midway, “O aprendiz de liberdade”, literatura infantil para todas as idades: a partir da injustiça em se criar animais em gaiolas, a autora ensina que, “quando nos colocamos no lugar do outro, fica mais fácil entendê-lo e respeitá-lo”.

Lanchinho

A idéia é uma daquelas que, no terreiro da teoria é uma beleza, mas que na pratica deixa algumas dúvidas: fazer com que os produtos destinados à merenda escolar – normalmente comprados através de licitação – sejam adquiridos diretamente dos pequenos agricultores (ou seja, aqueles incluídos naquela categoria quase fábula, “Agricultura Familiar”).

Pois, hoje, 9h, a Assembleia Legislativa deste Ryo Grande promove audiência pública sobre o assunto, iniciativa do deputado Fernando Mineiro.

Já existe, claro, uma lei para o tema, a de número 11.947, de 16 de julho, que determina que 30% dos alimentos destinados à alimentação escolar de cada estado venham não apenas da agricultura familiar, mas especialmente dos assentamentos, das comunidades indígenas e/ou quilombolas. Fazer valê-la é que são elas.

PROSA

“A dúvida é uma homenagem prestada à esperança.”

Lautréamont

Cantos de Maldoror

VERSO

“Foi aí que me dei conta / da tamanha inimizade comigo mesmo”

Márcio de Lima Dantas

“Comigo me desavim”

Deixe um Comentário