Um dia de fúria

4 de junho de 2009

Nelson Rodrigues dizia que no Maracanã se vaiava até mulher nua.
Na verdade, já começava propositalmente exagerando ao citar o minuto de silêncio como objeto das vaias, pra depois exagerar ainda mais pegando carona na nudez das damas.
A frase completa saiu num artigo no Globo em 28 de janeiro de 1970:
“No Estádio Mário Filho, ex-Maracanã, vaia-se até minuto de silêncio, e, como dizia o outro, vaia-se até mulher nua.”
Por aqui, digo eu, se aplaude tudo.
Especialmente quando existe certa dificuldade em se criticar o trabalho dos amigos e conhecidos.
Foi o que pensei ao término da exibição de “Sangue de barro”, documentário dos diretores Mary Land Brito e Fábio DeSilva.
O público que superlotou uma das salas do Cinemark, Midway Mall, ovacionou o filme – que fique bem claro.
Eu não.
Em primeiro lugar porque como documentário deixa muito a desejar, apesar do tema – por que não dizer? – atraente: a história do homem que, literalmente da noite pro dia, assassina 14 pessoas, aparentemente sem grandes motivações, é caçado por milhares de policiais e termina morto ou “suicidado”, tinha tudo para render um bom documentário.
Mas, “Sangue de barro” resultou num produto confuso que a muito custo e só ao final consegue contar a história que se pretendeu contar, mesmo assim sem esclarecer muita coisa.
Os diretores parecem querer provar que Genildo Ferreira de França não era o monstro que a mídia descreveu no calor da hora e da cobertura. Conseguem apenas mostrar que o cara era realmente – e aparentemente – normal antes do dia dos crimes. Mas não explicam nem tentam explicar (nenhum psicólogo ou psiquiatra é entrevistado) por que cometeu a barbárie. Como também não lançam novas luzes sobre o aparente e banal motivo até agora apresentado para o dia de fúria de Genildo – circulava um boato que era homossexual.
É possível que um sujeito normal possa matar 14 pessoas apenas porque sua masculinidade foi posta em dúvida? E, se fosse, não era o caso de tentar explicar melhor o preconceito?
Vez ou outra o filme também parece acusar a mídia pela exploração do caso, mas os melhores momentos do documentário são justamente as gravações, ao vivo, da caça ao criminoso, independente da abordagem sensacionalista.
No final, só temos que dar razão a um dos repórteres entrevistados, que lembra que em qualquer lugar do mundo um caso desses, alguém que mata uma dezena de pessoas numa pequena cidade, merecia uma grande e vasta cobertura – se foi equivocada é porque os formatos dos programas estilo “Aqui Agora” assim quase exigiam.
“Sangue de barro” perdeu a oportunidade de desfazer o que a mídia fez na época, e terminou, tão somente, sem querer, eternizando o ritmo envolvente e o tom preconceituoso do telejornalismo policial – justamente os pilares de sua grande aceitação popular.
*
DOC
Depois da avant-premiére (terça, Midway), “Sangue de bairro” entra em cena, hoje, em duas sessões, 19h e 20h30, no Teatro Municipal de São Gonçalo do Amarante.
DIREITO
Começa hoje, e vai até sábado, o 4º Encontro Internacional de Direito Público, realizado pela AEC – Associação de Estudos Científicos deste Ryo Grande. No hotel Pirâmide.
A conferência de abertura é por conta do professor USPiano Manoel Gonçalves Ferreira Filho.
BNB
Hoje acontece a primeira das quatro oficinas de elaboração de projetos que o Banco do Nordeste realiza neste Ryo Grande: em Natal, no Teatro de Cultura Popular Chico Daniel (TCP), das 8h30 às 12h30.
Caicó (dia 8), Pau dos Ferros (15) e Macau (16 de junho) são as outras cidades.
Tudo para aprender como elaborar um projeto para participar do Programa BNB de Cultura 2010, cujas inscrições acontecem de 29 de junho a 24 de julho.
SUERTE
É hoje o festão de aniversário da minha vizinha de página, Simone Silva, em evento que comemora ainda seus dez anos de jornalismo, quatro deles por aqui.
Infelizmente, o release veio com um erro ao afirmar que a atração maior é o cantor Sergynho (ex-Pimenta Nativa) – não, não, não: a atração maior é Simoninha, mesmo.
No Olimpo, a partir das 22h.
Passaportes de acesso no Douce France (Vila Colonial) e La Femme Lingerie (Midway).
CANJICA
Sob o lema “festa junina aqui é pop, rock e musica latina”, Hoje tem Nonato Negão no Budda Pub, 22h. E amanhã, uma hora mais tarde, Uskaravelho.

PROSA
“o que diria para diminuir a crueldade aos olhos dos outros, convencê-los de que ele era melhor do que podia parecer se julgado unicamente por aquela ação?”
Italo Svevo
Argo e seu dono
VERSO
“corpo algum, algum dia / se preparou para tanto.”
Napoleão de Paiva
“a dor revisitada”

Deixe um Comentário