O sorriso industrial

22 de outubro de 2010

Ilustração de John Tenniel para o oitavo capítulo The queen's croquet-ground

Vem Jarbas Martins e comenta. Vem sempre Jarbas Martins e comenta. Vem sempre Jarbas Martins e sempre comenta. Vem Jarbas, sempre Martins, e comenta. Sempre. Graças a deus – que não é outro, e não se enganem, senão Jarbas Martins, JM. Quem não conhece Jarbas Martins há de pensar que é uma invenção minha. A essa altura do campeonato, um leão por dia, uma gatinha vezenquando, já nem sei. Mas eu gosto de Jarbas Martins. Nosso diálogo é psicodélico. Mais: psicotristetrópico. Sem ele, este blog aqui andava às moscas, todas engaioladas nas teias de aranha do tempo. A última do Jarbas foi a extensão de uma besteira qualquer que tuitéi em menos de cento e quarenta caracteres, verão da lata versus bolinha de papel. Fez um rondel que, promete, arrancará |suspiros| aplausos de Fernando |Gullar| Gabeira. Isso. E, O sorriso industrial é um belo título. JM poderia escrever um romance.

*

Tem razão, meu caro Mário Ivo, este país não merece a campanha da bolinha de papel. Proponho que esta campanha seja feita através do rondel. Essa forma poética é a própria decadência com elegância. Que o diga o dândi Tristan Corbière, queridinho de Pound e exímio cultor do gênero. Olha, Mário Ivo, estou fazendo campanha contra o Serra, usando os 13 versos do rondel. Eu sou o dândi de Angicos. O meu rondel vai arrancar aplausos até do Fernando Gabeira. Um intelectual serrista e da lata. Abraços.

O SORRISO INDUSTRIAL DA MOTOSSERRA

em memória de Chico Mendes

O sorriso industrial da motosserra

rói o mais leve sonho das esquinas.

Sua manada privada dos sem crinas

patina em uma pátria de ócio que os aterra.

De seu kit letal, soro e vacinas,

de suas unhas vorazes, terra e terra.

O sorriso industrial da motosserra

rói o mais leve sonho das esquinas.

Atento às leis do vento, instrui e serra

e verga à modo de árvore que assassina.

Em estojos de culpas se encerra

e nas lições do ócio mau que ensina.

O sorriso industrial da motosserra.

Jarbas Martins

6 Já Comentaram para “O sorriso industrial”

  1. Jarbas Martins disse:

    Elogio desse, Mário Ivo, é de deixar o cara vendo passarinho verde.Se é que ainda existe.Abração.

  2. antonia maria de araujo fernandes disse:

    Prezado Jarbas, além de ficar vendo passarinho verde, é de ficar acordado para ver se quando o dia amanhecer ir conferir no blog e confirmar que recebeu tão nobre graça…

  3. Jarbas Martins disse:

    Prezada Antonia, nada de passarinho verde nos blogs.Essa nobre graça não me tocou os ombros.

  4. antonia maria de araujo fernandes disse:

    pena!

  5. Jarbas Martins disse:

    p e n a s

  6. antonia maria de araujo fernandes disse:

    você não entendeu nada, nada, nada!!!! mas é isso:o cada um pensa como pode

Deixe um Comentário