Nossos comerciais por favor | Talking book

28 de março de 2011

A gente nasce no tal seio de uma família e o tempo se encarrega de alvoroçar todo o conjunto, equilibrado e coeso apenas na infância. Uns se vão, outros se agregam, mas o núcleo, ou boa parte dele, permanece o mesmo. O núcleo dos irmãos é fundamental. Sempre assumo a sorte que tive de ter nascido entre 4 irmãos, eu incluso. E nascer entre tantos implica que, muitas vezes, o primogênito nasça numa década e o caçula na seguinte. Foi assim comigo. Conosco. Eu e minha irmã. Para sempre a primogênita, mas às vezes eu sei que ela é minha caçula. Também. Ela agora lança um livro. E é bem legal. Long time ago ela nos escreveu uma carta, rito de passagem, divisor de águas. Endereçada aos outros três machos. Imagino que devia ser bom e não ser bom ter três irmãos varões. Pois, ela nos escreveu a carta, tal. Mais de 20 anos atrás. E eu lembro que fiquei impressionado com a missiva, noves fora seu conteúdo – seu direcionamento, sua vontade de se desnudar diante dos irmãos, as dores e alegrias que pautavam as entrelinhas – era um belo exercício literário. Muito forte. Parêntesis: eu sempre curto demais quem não é “do ramo” e escreve como se fosse – às vezes, melhor ainda do que as galinhas emplumadas que ciscam nos terreiros intelectualóides. Fecha parêntesis. Tão bela era a carta que a tenho guardado. O livro que minha irmã lança dia 6 não tem essas pretensões de exposição d’alma. Ao menos explicitamente. É um relato de viagem. De viajante. Os Jovens Escribas se encarregaram de arrumar tudo numa embalagem que deve agradar a gregos e baianos. Fica a dica, pois.

* Talking book – o livro que fala – é o título de um disco de Stevie Wonder, um dos tantos que eu ouvia, por tabela, na vitrola de casa, embalado pelos bons gostos dos dois irmãos mais velhos. Era um dos preferidos da minha irmã, já que meu irmão curtia mais os Stones. You’re the sunshine of my life era um dos hits. Uma das faixas. Embora ela já tenha dito que no seu enterro quer todo mundo alegre, bebendo e cantando You can’t always get what you want, que é, pois dos Stones, olha só. Ah, mas eu posso dizer que ela é o brilho do sol na minha vida? Posso, né?!

3 Já Comentaram para “Nossos comerciais por favor | Talking book”

  1. ana celia disse:

    Nossa!!! Aiaiaiai.. emocionante. Sem palavras.. Love you!

  2. soraia disse:

    costumo brincar que a “função social” de irmãos mais velhos é “azucrinar” a vida dos mais novos. felizmente nem tudo é regra: como é bom ter uma irmã 10 anos mais velha e tantas vezes caçula. boa viagem!

  3. tania mendes disse:

    Eu quero um irmão assim…

Deixe um Comentário