não do meu pecado/ mas do seu…

6 de novembro de 2010

não do meu pecado/ mas do seu perdão

Um Já Comentou para “não do meu pecado/ mas do seu…”

  1. Jarbas Martins disse:

    Olha, meu confidente e virtual amigo Mario Ivo: do meu pecado de falsamente jurar amor às mulheres sempre tive a convicção que elas sabiam que eu estava mentindo.Mau autor e canastrão, qual mulher acreditaria em mim ? Como poeta posso até ter enganado alguma mulher, mesmo não sendo um Vinícius de Moraes ou um Pablo Neruda de Angicos.; como amante, não.Porque amor é pele, carne e osso.E poesia- palavras, palavras, palavras, como disse o poeta Dácio Galvão. Depois, sabe de uma coisa ? Nem Marlon Brando, na vida real, seria capaz de iludir uma mulher.A ela é que cabe o ato de se iludir.Então vou dizer uma coisa aqui pra você: do meu pecado de dizer mentiras às mulheres, não me arrependo.Elas foram minhas cúmplices.Mentiam-me, dando atenção às minhas mentiras.
    Agora quanto ao perdão, meu amigo virtual…Devia haver uma lei proibindo perdido de perdão,sabe por que? O ato de pedir perdão é querer ludibriar o outro.Ou humilhá-lo.O mais digno para as mulheres que não amam seus companheiros,amantes ou o que seja…é silenciar; ou se calar para sempre, logo que surja em pauta o tema amor.Deixe-se ao amante, que se engana, aquela sofrível certeza: ela não me ama.E que vá tratar de tarefas menos complicadas: ser comentarista de blogs, por exemplo.
    Pedido de perdão é coisa tão repugnante…É só ver certos políticos, ou outras espécies de bandidos na televisão.Pode ser também algo pueril, coisas de pessoas doces e ingênuas como santos e poetas.Lembra-se daquela passagem de São Pedro, perguntando a Cristo se devia perdoar a alguém sete vezes ?Jesus já sabia que numerologia e a palavra perdão eram coisas vazias, lúdicas e não tinham serventia nenhuma.E, acho, que foi meio irônico com Pedro, quando respondeu: “Deve-se perdoar são somente sete vezes, mas setenta vezes sete”. De pedido de perdão, principalmente de mulher, sou meio ressabiado.

Deixe um Comentário