Histórias da Carochinha

2 de fevereiro de 2010

Pelo que entendi o negócio é o seguinte: a prefeita Micarla de Sousa foi à Câmara Municipal, leu dez páginas da tradicional mensagem anual, falou, falou e não disse muita coisa que preste, não.

A pior: que Natal precisa rever seu Plano Diretor.

Nossa.

Sabe quando você descobre que a madrasta – embora madrasta e tal, mas tão bonitinha que nem se percebia madrasta – enfim, quando você descobre que a madrasta é, na verdade, uma bruxa terrível?

Ou quando o lobo se despe de sua pele de cordeiro?

Chega dá calafrio.

Faço até o sinal da cruz.

Pra complicar, a moça inda falou:

O melhor de Natal é a sua gente e é para ela que temos a obrigação de fazer festa. A capacidade de realizar o nosso sonho, fazer o sonho virar realidade reflete na tarefa realizada.

Muito confuso, mas eu garanto que uma ruma de gente aplaudiu.

Depois de tudo isso, Micarla de Sousa entregou o cargo e partiu. Não foi num redemoinho, não. Partiu, assim. De férias. Miami, Disney, essas coisas que são a cara do Partido Verde.

Enfim.

*

[Com informações e leituras do blog de Eliana Lima e do Portal Nominuto]

3 Já Comentaram para “Histórias da Carochinha”

  1. lissa disse:

    esse discurso tem todo o jeito de ter sido escrito por aquele assessor dela – como é mesmo o nome dele?-, aquele, pitbull…

  2. Mario Ivo disse:

    é, lissa, então, pois é, pitbull, acho q o nome é esse mesmo… (aguarde mais tarde q eu assisti a reprise na tv câmara)

  3. Val disse:

    pior esses discursos, que parecem citações, copiados não sei de onde…..frases feitas, tiradas de histórias de carochinhas!

Deixe um Comentário