Biquíni de bolinha vermelhinho

29 de maio de 2010

Que eu saiba, Jessica Alba não bebe Vita Coco, mas quem se importa?

Uma conversa de dois americanos com duas brasileiras num bar em Manhattan, New York City, deu origem a um negócio que, aparentemente, tem tudo pra dar certo: água de coco em caixinha.

E daí? Dirá o leitor, a leitora, acostumados com o coco verde aberto numa facada só enquanto o vento sopra os cabelos e a areia sobre o corpo bronzeado (ou se bronzeando) à beira-mar.

As caixinhas já circulam por aqui há tempos, mas sempre enfrentaram a resistência dos que conhecem a embalagem original, muito mais perfeita, na capacidade de conservação e no design, feito sob medida pra ser abraçado pelas mãos e coroado por um canudinho colorido. Um coco verde aberto em sua parte superior com um canudo dobrado é a cara do verão.

Houve até um potyguar que inventou uma caixa dobrável – estilo essas bandejas do Mcdonalds para o drive-thru – na tentativa de exportar mais facilmente o produto em sua embalagem original. Acompanhava também um abridor pra facilitar a vida do gringo.

Desconfio que não deu muito certo.

O que os dois americanos fizeram, além, claro, do padrão de qualidade que, supõe-se, acompanha toda a produção (desde o vizinho Ceará, de onde, reza a lenda, eram as duas meninas do primeiro parágrafo), foi investir em marketing. Dizem que Madonna, Demi Moore e o vocalista do Red Hot Chili Peppers, Anthony Kiedis, são investidores da empresa. A cantora apareceu para uma sessão de fotos para Dolce & Gabbana com a embalagem tetra park em mãos. A atriz foi capa da Harper’s Bazar de abril, onde contou que trocou o Red Bull pela Vita Coco. E o vocalista, bom, do vocalista não sei nada além do fato que sempre conjugou drogadição com vegetarianismo.

Noves fora todo esse blá-blá, o sítio da Vita Coco chama atenção por um detalhe quase desapercebido: a animação inicial ao carregar a página mostra uns cocos caindo do alto de um coqueiro. Não seria nada se não fossem acompanhados, na queda, pela parte superior de um biquíni – de bolinha e, ao contrário da música, vermelhinho.

Como a origem brasileira do produto é muito pouco explorada, não dá nem para os moralistas de plantão virem com aquele papo de sexo turismo, imagem do Brasil etc.

Mas que dá pra pensar, ah isso dá.

Um Já Comentou para “Biquíni de bolinha vermelhinho”

  1. Jarbas Martins disse:

    Quando me aposentar da Universidade, em 2013, quando completarei setenta anos, estou pensando em voltar pra angicos e vender picolé. O nome da marca, que lhe parece ?, é Chica Coco. O diabo é que ninguém mais se lembra da puta legendária, que prestou tantos serviços à minha terra, e que tinha esse apelido.

Deixe um Comentário