A diverticulite de Lady Grafstein

2 de agosto de 2010

Vez em quando a gente se diverte na internet, não resta dúvida. Tanto, que às vezes esquece até do trabalho. Quer dizer, esquecer não esquece, mas atrasa, entre uma navegada e outra, um link e outro link, rayuela virtual, variações para violino e orquestra. Por exemplo: fui curiosar as mais recentes notícias sobre a atriz Lindsay Logan – digo, Lohan – fora das grades e terminei descobrindo que entre tanta gente no mundo existe uma senhora chamada Betty Grafstein.

Com esse nome e sobrenome, socialite, claro.

Nova York? Paris? Londres? Baixada Fluminense? Não. Não. Não. Não. A senhora Grafstein, sobrenome judeu, o que inspira, preconceituosamente, muito dinheiro, bem, a senhora Grafstein é portuguesa.

Pausa de alguns minutos pra chafurdar no google e congêneres. Não. Not. Desdigo-me, retifico-me. Lady Grafstein é inglesa, de nascimento. Como eu imaginava, o sobrenome é judeu mesmo e madame é podre de rica, viúva de um comerciante de diamantes e jóias e luxo, muito luxo. E sua empresa, a Grafstein Diamond Company, tem sede em New York, USA. Mas, como contraiu novas núpcias com um apresentador de tevê português – o nome não vem ao caso (a figura, sim, veja aqui) – madame Grafstein circula, roda e agita, no mundo social lusófono.

Foi no sítio da Caras portuguesa, pois, pois, onde dei com a notícia, importantíssima:

Betty Grafstein já teve alta.

E, abaixo, no estilo peculiar da revista, transformando qualquer declaração banal em aforismos definitivos:

“Sinto-me bem.” (B. G.)

Onde B. G. está para, claro, Betty Grafstein.

(É uma bela frase para uma lápide, interrompo, entre parêntesis, para voltar ao caso.)

Que sucedeu a Betty Grafstein para ter alta e sentir-se bem?

Uma diverticulite aguda. Ou seja, uma inflamação no intestino grosso, como bem explica a revista dos ricos e famosos, preferida pelos remediados e anônimos.

Nesse momento, juro, eu corei. Não fica bem para uma dama da sociedade, mesmo que portuguesa, ser acometida por tal ite. Mas, depois, sem esconder um sentimento de vingança característico dos pobres, não de espírito, mas de posses, deixei aflorar nos lábios um sorrisinho besta. Então, madame  também tem intestino grosso, hein?!? E ainda mais, inflamado. Danadinha.

Noves fora as voltas que o intestino dá, o nutricionista de Lady Grafstein – o nome também não vem ao caso – já está ajudando-a a escolher “uma alimentação adequada ao seu estado de saúde”.

No que aliás obra muito bem.

Quanto a miss Logan – digo, Lohan – já está solta, embora numa clínica de reabilitação. Antes, esteve encarcerada numa penitenciária feminina de Los Angeles, onde – dizem as folhas – “foi posta em cela isolada – para frustração dos editores de jornais sensacionalistas, que previam que ela seria atacada por gangues de lésbicas”.

Espantosa frase, esta: desde a “frustração” até as “gangues de lésbicas”. Coisa de provocar uma diverticulite.

Deixe um Comentário